Comportamento sexual dos gatos

O primeiro cio das gatas ocorre em média entre o 5º e o 9º mês de idade, podendo variar devido às condições climáticas locais, a época do ano, a raça e a presença de outros gatos inteiros no ambiente. Apesar das gatas não terem sangramento vaginal e nem ficarem com a vulva edemaciada como as cadelas, é muito difícil que o seu cio passe despercebido.

Quando elas estão próximas do período fértil já começam a ter algumas mudanças de comportamento: esfregam-se mais freqüentemente em objetos, toleram mais a presença de outros gatos, rolam no chão e ronronam com mais facilidade. Tudo isso faz com que alguns proprietários pensem que elas estão mais “dóceis” que o normal. Se nessa fase a fêmea já tiver contato direto com algum macho inteiro ela ainda não cederá totalmente às investidas dele, poderá até deixá-lo montar, mas ainda não arqueará a coluna expondo a vulva. Diferentemente do que muitos pensam, algumas gatas nessa fase podem demarcar o seu território com urina, como os machos fazem, para sinalizar que a hora está chegando.

Quando o cio realmente chega há uma grande mudança no comportamento da fêmea em relação ao macho e se eles não estiverem no mesmo ambiente ela passará a chamá-lo incessantemente com miados longos e agudos.

A fêmea ainda se esfregará e rolará, entretanto adquirirá uma posição corporal bem típica com os membros traseiros mais arqueados que os dianteiros, expondo o períneo e com a cauda levemente inclinada para o lado. Em muitos momentos chegam a “sapatear” com as patas traseiras dando a impressão que estão rastejando. Essa “dança” do acasalamento pode ser inocentemente induzida quando o proprietário coça o dorso da gata durante o cio.

Se no ambiente em que ela vive existir mais que um gato inteiro ela começará a chamar a atenção dos machos, antes de estar totalmente receptiva, para estimular uma competição entre eles, onde o mais viril vencerá. A fêmea poderá até demonstrar uma preferência ou aversão por algum macho, e acredita-se que isso tenha relação com os odores que cada um exala.

Os machos, diferentemente das fêmeas, são férteis e sexualmente ativos o ano todo. A maturidade sexual é atingida mais tardiamente, entre o 9º e 12º mês de idade e é, normalmente, nessa época que eles começam a demarcar o território com urina.

Quando o macho é colocado em um ambiente diferente do seu para acasalar é normal que ele leve certo tempo até se familiarizar e esse processo poderá incluir algumas borrifadas de urina em locais proeminentes para atrair a fêmea no cio. Por isso, é sempre melhor que a gata seja levada na área do macho para cruzar.

Os gatos preferem cruzar a noite e a duração do namoro pode variar de 10 segundos a 5 minutos. Quando eles já estão prontos e familiarizados com o ambiente, alguns machos podem emitir miados característicos para avisar a fêmea que ele já está disponível. Quando a fêmea adquire a posição de acasalamento o macho rapidamente a agarra pelo pescoço para imobilizá-la, monta o seu dorso e em poucos segundos acontece a cópula. Algumas fêmeas poderão exibir um comportamento agressivo após o coito, chegando a agredir o macho, por isso é comum que ele saia rapidamente de cima dela e se mantenha distante até a próxima investida.

Os gatos podem acasalar até 15 vezes num período de 24 horas, mas esse número poderá variar conforme a experiência e o temperamento do casal.

Em um criatório, para uma fêmea ser considerada uma boa matriz é importante que ela saiba demonstrar bem quando está no cio e aceite com facilidade as investidas do macho. Já o macho para ser considerado um bom pareador ele deverá demonstrar interesse sexual facilmente e ser destemido e rápido no momento do coito.


Julia Burt

Este texto foi escrito para a 63 edição da revista Pulo do Gato